Sobre o tempo...

segunda-feira, 29 de março de 2010

Há certamente muitas coisas que poderiam ser ditas a respeito do tempo. É fato que o tempo é, ao seu modo, o grande gestor de todas as coisas. É fato também que o tempo tem seus efeitos sobre as feridas. Acho até que a maioria de nós pode dizer que são bons efeitos, e que o tempo realmente tem o poder de curar as feridas, sobretudo as causadas pelos relacionamentos em que acabamos nos envolvendo no decorrer de nossas vidas.
Sobretudo, se o tempo tem o poder de mudar as coisas, não significa que são mudanças definitivas. Aparentemente, bastaria apenas mais um tempo para que novas mudanças acontecessem, tornando as coisas como antes, ou apenas fazendo-as novas. Dessa forma, o tempo pode mudar o amor num relacionamento, tornando-o mais forte ou mais fraco, dependendo da intenção do próprio tempo, e até da forma como o empregamos em nosso favor.
É provável que a maioria de nós já tenha notado os vários modos como o tempo pode agir nos relacionamentos. Quem nunca viu o tempo transformar a distância em costume, até que não houvesse mais saudade, nem necessidade de se estar junto novamente? Quem nunca sentiu em si mesmo o tempo levando ao esquecimento, feridas que julgávamos incuráveis, mudando inclusive a maneira de encararmos aqueles que nos feriram? Quem nunca passou pela experiência de ter um relacionamento fortalecido, apesar do tempo de separação? Quem nunca esperou que o tempo tornasse possível respirar-se aliviado, sem o peso de não poder viver sem alguém que simplesmente foi embora? Quem não desejou que o tempo apagasse da memória os tempos bons e ruins, que vivemos com alguém que jamais voltará à nossa vida? Quem nunca implorou ao tempo que apagasse da memória aquilo que nos magoou, para que voltemos a ser felizes ao lado da pessoa que amamos? Quem nunca imaginou como seria se o tempo apagasse todos os erros, sem exigir que vivamos as conseqüências? Quem nunca quis que o tempo parasse, e nos desse mais tempo pra aproveitar aquele momento incrível e precioso que gostaríamos que durasse para sempre?
Talvez o tempo seja mesmo essa poderosa ferramenta que pode salvar ou arruinar as nossas vidas. Isso até que ele mesmo volte a agir mudando novamente nosso rumo, nosso olhar.

4 comentário(s):

  1. Mateus Cardoso disse...:

    Tenho um relacionamento estranho com o tempo. Gosto quando ele leva pra longe fatos que quero esquecer, mas não gosto quando afasta memórias que não queria ter como memórias, mas sim como acontecimentos pra sempre.

    Mas, ao final das contas nosso tempo é agora. Ontem já foi e amanhã não existe ainda. O melhor é contar com o que temos aqui.

    Lindo texto!

  1. Pathy disse...:

    Às vezes acho que o tempo muda as coisas, às vezes acho que ele não muda nada, nós é que mudamos.

  1. Alinne Silva disse...:

    Mateus, acho que o tempo do hoje é tempo suficiente, por hora.
    Como já dizia o Legião Urbana:
    "Todos os dias quando acordo não tenho mais o tempo que passou.
    Mas tenho muito tempo. Temos todo o tempo do mundo."




    Pathy, talvez seja o próprio tempo quem muda a gente.

  1. O tempo é sim uma das maiores máquinas desse mundo...se eu pudesse eu NÃO teria uma máquina do tempo...acho que as coisas acontecem como devem acontecer,tudo no seu rumo pra que lá na frente não crie engarrafamento na pista da vida...coisas ruins precisam permanecer na nossa memória para que quando formos errar novamente,lembremos de antes e não erremos novamente....isso o tempo não deixa apagar!Enfim,ainda fico meio confusa em como uma coisa tão abstrata pode ter tanto efeito na nossa vida???!!! Oo